Seguidores

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Soneto

E se lhe visse o verso do meu ser
Tão adverso a tudo que já lhe disse?
E se veçano lhe mirasse e risse
Inda valheria me querer saber?

E se ao me saber pleno não lhe abrisse
nenhuma porta, não fisesse aceno?
E se eu gritasse e você me seguisse
inda me olharia seu olhar heleno?

E se eu lhe parecesse assim dubtável
Fogo fugas ou`ma chama durável
Me desejaria a chama ou sereno

E se por ironia eu lhe fosse afável,
Amável, quem sabe talvez cadeno
Me amarias com viço ou veneno?

2 comentários:

versosnalinhadotempo disse...

Salve Alisson!
Gostei do seu poema!
Embora o soneto não seja a forma que eu mais goste, achei que o seu ficou sintético e fugiu da necessidade de forçar na estrutura ideias só pra que fosse um soneto!

E essa última estrofe é belíssima:

"E se por ironia eu lhe fosse afável,
Amável, quem sabe talvez cadeno
Me amarias com viço ou veneno?"

Parabens e forte abraço poético!

J.

Glícia Soares disse...

Profundo. Amei principalmente o último verso.